Labels

terça-feira, 2 de fevereiro de 2016

A Semente do Medo - Tempo, aquilo que o dinheiro não pode pagar







Chorar sobre as desgraças passadas é a maneira mais segura de atrair outras.
William Shakespeare

Essa é uma frase, que sem duvida, reflete a opinião de muita gente. Todo ser humana as vezes parecer estar destinado a ficar preso a coisas do passado, Isso é tão verdade que mesmo se levando uma vida bem sucedida, ainda existe aquele pequeno vazia no coração de todo mundo, como se algo ainda não estivesse completo.

Todo adolescente, jovem ou mesmo adulto, comete um erro ou outro na vida, que lhe serve de lição uma hora. Porém, existem aqueles que parece não aprender nem com as mais terríveis e duras lições que a vida pode proporcionar. Eu, em muitos casos, fui esse tipo de pessoa, agindo por impulso sem pensar nas consequências. Isso me afastou de amigos, perdi oportunidades, criei inimigos e sofro as consequências sempre que possível ser lembrado delas. As vezes é preciso passar por muita coisa antes de entender o que, as vezes, se demora anos para compreender.

Ao se cometer um erro, lembre-se que todos os pontos uma hora vão se juntar. Não existi pessoa nessa vida que está fora dessa regra, em outras palavras, o nome disso é Roda do Carma. Você pode fazer mil coisas certas, mas é preciso apenas uma coisas errada para que tudo de bom, seja esquecido. Você tem que ter em mente que se você errou, existem pessoas que nunca irão esquecer. Apenas lembre-se de uma coisa. Errou, abaixe a cabeça, reconheça que errou e não faça mais. Infelizmente, existem pessoas que repetem e repetem os mesmos erros, até que uma hora, depois de muito errar, finalmente aprende! ou não.

Enfim, não digo para ninguém errar, isso, infelizmente, faz parte da natureza humana, mas saiba que todo mundo pode melhorar e aprender com eles, o passado é uma coisa que não se pode pagar, infelizmente. Mas pode se aprender com eles e ser exemplo para que essas coisas não se repitam.

APRENDE COM SEUS ERROS, TENHA O PASSADO COMO UMA LIÇÃO E NÃO COMO UMA PRISÃO.

Fernando Monteiro